Jovens 'acampam' em porta de loja em Ipanema para comprar tênis de R$ 1,2 mil

Apesar de não poder tratar com propriedade sobre o assunto, me vi obrigada a escrever sobre.

Uma boa quantidade de matérias tendenciosas e uma infinidade de comentários preconceituosos, me encorajaram a demonstrar um pouco da admiração que tenho pelos jovens que 'acamparam' em porta de loja em Ipanema para comprar tênis de R$1,2 mil.

Nascida nos Estados Unidos, a cultura Sneaker alcançou a Europa na década de 1980 e os primeiros movimentos dos sneakerheads - termo designativo aos adeptos da cultura urbana sneaker - começaram a acontecer no Brasil em meados da década de 1990, sendo, portanto, uma pouquíssima expressiva por aqui.

Até onde sei, tudo começou com modelos criados para atender às necessidades de atletas de esportes específicos, como tênis e basquete, mas que acabaram sendo incorporados no vestuário do dia-a-dia por causa dos sneakerheads e é a partir daqui que já é possível ver a importância dessa galera. Uma rápida pesquisa sobre modelos icônicos de grandes marcas deixa claro que tais modelos se perpetuaram por causa dessa cultura.

Algumas grandes marcas, desde os anos 80 deram início a lançamentos de produtos exclusivos ou em edições limitadas e, obviamente, estimularam consumidores a adquirir calçados ou raridades. Esse boom é tão grande que ouso dizer que muitas lojas sobrevivem a tal crise por serem especializadas em comercializar lançamentos e limited editions - e, sim, muitos empregos ainda existem graças à cultura Sneaker. Aliás, ainda acho bem válido dizer que os sneakerheads não querem saber de Ebay para comprar muamba que, muitas vezes, tem forma dada por mão de obra escrava. E, não, não tem espaço na cultura Sneaker para falsificação.

Falando sobre a crise, essa cultura acaba por fazer com que algumas pessoas se reinventem. É que tem uma boa galera que, além de colecionar alguns bons pares de tênis, dormem nas filas, compram um par de tênis - ou alguns pares, dependendo como funcionar aquela venda -, de R$ 1,2 mil para resell. Os resellers acabam por ser figuras de extrema importância para a cultura Sneaker, já que apenas pequena parte dos sneakerheads podem "'acampar' em porta de loja" - e essa frase está longe de ter sentido pejorativo. Como vocês devem imaginar, a revenda faz com que um tênis de R$ 1,2 mil seja revendido por algo em torno a R$ 2 mil, afinal, trata-se de  um modelo exclusivo e que já chega ao Brasil com um valor pouco atrativo. 

Pois é.. É uma cultura que movimenta muito, muito e muito dinheiro!

Então, a galera que 'acampa' em fila é uma galera que tem admiração por tênis e, se tem uma coisa que me faz ter ainda mais admiração pelos sneakerheads, é que eles são muito certos e não costumam dar segunda chance, viu?! Pisa na bola uma vez e quase mais ninguém vai querer fazer negócio contigo!


Dani GermanoComment